Mudar de Profissão: É Possível

Segunda-feira, 8 Novembro 2021

Mudar de profissão significa abandonarmos a nossa zona de conforto. Procurar novas oportunidades e desafiarmo-nos a nós próprios. Se algum dia sentir que lhe falta algo para estar completo, arrisque.

Apresentamos hoje o exemplo de alguém que preferiu a mudança ao conforto: Filipa Macieira.

#1 A Filipa estudou Serviço Social na Universidade Católica Portuguesa, mas o destino trouxe-a até ao CERT - Serviço de Segurança da Unidade FCCN. Que funções desempenha no CERT e qual a que mais a cativa?

No RCTS CERT sou Oficial de Comunicações e Analista Júnior. Desempenho várias funções e a que mais me cativa é a recolha de notícias para gravar o Estado do Tempo Cibernético.

#2 Como surgiu a oportunidade de trabalhar no CERT?

Em 2007, depois de passar pelo DNS.pt, fui para a área de Segurança para o projecto Internet Segura. Na altura era analista da Linha Alerta, uma linha de denúncias de conteúdos ilegais na Internet. Como partilhava a sala com os elementos do RCTS CERT comecei a analisar incidentes de segurança. Em 2018, deixei o projecto Internet Segura, e fiquei a 100% no RCTS CERT.

#3 De que forma está relacionado com a sua formação?

A formação em Serviço Social tem um leque variado de disciplinas, desde o serviço social à estatística, passando pelo direito ou pela psicologia. É um curso que nos ensina a ajudar o próximo. No RCTS CERT desenvolvemos uma cultura de segurança na internet, disponibilizamos um serviço de alerta e produzimos recomendações de segurança. Por outro lado, e por a resposta a incidentes de segurança informática ser a nossa principal missão, sinto que estou a ajudar os utilizadores da internet na nossa comunidade a fazerem-no de uma forma mais segura!

#4 A Licenciatura em Serviço Social foi a sua primeira escolha ou teve dúvidas em relação à área em que queria trabalhar? Que outras opções considerou?

Não foi a minha primeira escolha. Sempre quis ir para comunicação social. Não entrei em comunicação social e como serviço social, no primeiro ano, tinha muitas disciplinas em comum inscrevi-me! A ideia era mudar no 2.º ano mas gostei do curso e acabei por ficar até ao fim.

#5 A sua família questionou a sua mudança de emprego?

A minha família nunca questionou nem as minhas opções de curso nem as profissionais.

#6 Que emprego idealizaram eles para a sua vida? E a Filipa? Qual seria o seu emprego “de sonho”?

Idealizaram o que me fizesse feliz! Não sei se há empregos de sonho, nós é que temos de tentar tornar de sonho o emprego que temos. Mas um emprego de sonho seria ser crítica gastronómica e correr mundo a provar comida dos 4 cantos!

#7 Teve algum receio ou dúvidas quando começou a trabalhar na FCCN? Como ultrapassou os obstáculos?

Não. A integração na FCCN foi muito fácil. No início da Linha Alerta e por trabalhar com conteúdos como abuso sexual de menores, ou apologia da violência foi muito importante o apoio dos meus colegas.

#8 Já fez algum curso na NAU? Quais? 

Já fiz o de Teletrabalho em tempo de Isolamento.

#9 De que forma foram úteis para a sua profissão ou quotidiano?

O Curso foi muito útil e até me ajudou com informação para uma apresentação que fiz no Curso de formação de formadores. Quero fazer outros porque há temas muito relevantes para as funções que desempenho.

#10 Que mensagem gostaria de deixar aos utilizadores da NAU que estão a pensar em mudar de profissão?

Mudem sem medo! E se não correr bem, mudem outra vez! Não se esqueçam que tão ou mais importante que gostarem das funções que desempenham é sentirem-se integrados e motivados na organização em que estão.